2014/08/25

Leituras [83] - Madrugada Suja, de Miguel Sousa Tavares

A "Madrugada Suja" é um interessante romance sobre o Portugal moderno, das teias de influências dos políticos e dos empresários (ou daqueles que são ambos em simultâneo) e que povoam as câmaras municipais deste país - mas também os governos da Nação.

Se a história romanceada não aconteceu (o que não tenho a certeza...) poderia muito bem ter acontecido. Todos nós já lemos nos jornais e ouvimos nos telejornais muitas histórias assim (que, lamentavelmente, acabaram arquivadas...) e não têm nada de novo.

Apenas por dar um nome a jovem arquitecto paisagista e contornos políticos à história, MST criou um romance que nos mostra que poderia ser qualquer outro arquitecto a viver essa personagem e história.

Vale bem a leitura, leve e fácil, e actual. Muito actual.

Sinopse
No princípio, há uma madrugada suja: uma noite de álcool de estudantes que acaba num pesadelo que vai perseguir os seus protagonistas durante anos. Depois, há uma aldeia do interior alentejano que se vai despovoando aos poucos, até restar apenas um avô e um neto. Filipe, o neto, parte para o mundo sem esquecer a sua aldeia e tudo o que lá aprendeu. As circunstâncias do seu trabalho levam-no a tropeçar num caso de corrupção política, que vai da base até ao topo. Ele enreda-se na trama, ao mesmo tempo que esta se confunde com o seu passado esquecido. Intercaladamente, e através de várias vozes narrativas, seguimos o destino dessa aldeia e em simultâneo o dos protagonistas daquela madrugada suja e daquela intriga política. Até que o final do dia e o raio verde venham pôr em ordem o caos aparente.
Excerto
“E agora, de volta à minha aldeia, onde a luz eléctrica chegara tarde demais para os homens, madrugada dentro, eu lia o Guerra e Paz. Numa aldeia morta, numa noite deserta, seguia, como se estivesse a ver, o esplendor dos salões de baile do Império Russo, a imensidão das estepes gélidas, os gritos de horror dos estropiados pelo fogo dos canhões de Napoleão Bonaparte, e chegava-me mais ao calor da lareira para não sentir a solidão das trincheiras de lama, húmidas, frias, desoladas, onde se abrigava o exército de Kutúsov. Alguém dissera um dia que se podia viver sem tudo, menos água e comida, mas que viver sem livros e sem música não seria o mesmo que viver.”


Enviar um comentário