2008/07/17

Carlos Queiroz


Devo dizer, à partida, que é o género de treinador que me agrada: metódico, estudioso, inteligente, adepto de novas filosofias e metodologias aplicadas ao alto rendimento - ele próprio um dos primeiros a usar estas técnicas.

Mas do que fui vendo ao longo dos anos, parece-me que tacticamente não é muito evoluido e tem alguma dificuldade de leitura do jogo durante o mesmo.

Mas o principal problema que ele vai enfrentar na selecção, para mim, é o facto de ser português! E conotado, desde sempre com Lisboa e com os clubes de Lisboa, o que não ajudará muito na pacificação da selecção, de certeza.

Penso que uma opção tipo José Pekerman nesta altura era mais segura, mas de facto, e em especial se Queiroz for o responsável da selecção num todo - dos mais pequeninos aos consagrados - e conseguir nestes primeiros jogos as vitórias que são o cimento-cola de um treinador, então poderá vir a desenvolver um trabalho de eleição e, quem sabe, preparar novas gerações de futebolistas para que Portugal se mantenha na crista da onda mais 15/20 anos.
Enviar um comentário