2012/03/05

Leituras [64] - Os Demónios de Berlim, de Ignacio Del Valle

Muito raramente não consigo terminar de ler um livro. Penso que os dedos de uma mão chegam para isso.

Este foi, infelizmente, um desses casos.

A história e o local escolhidos para o desenvolver da trama tinham tudo para resultar num livro excelente.

No entanto, Os Demónios de Berlim, de Ignácio del Valle, não me cativou, esteve tempo de mais pousado na mesa de cabeceira e nunca consegui ler mais do que uma ou duas páginas de cada vez.
A escrita, não sendo intragável, era... estranha. E a história não desenvolvia. Ao fim de 100 páginas parecia que ainda estava quase no mesmo sitio, pouco tinha avançado.

Desisti, por isso, de continuar a leitura e passei ao seguinte...


Sinopse
Premio de la Crítica de Asturias 2010 Berlim, 1945.
Os soviéticos avançam, imparáveis, pelas ruas repletas de escombros. Em toda a cidade a luta é violenta, e a derrota alemã está iminente. Arturo Andrade está no meio de todo aquele caos. A sua missão: localizar Ewald von Kleist, que acaba por encontrar morto na chancelaria do Reich com um misterioso bilhete nos bolsos. 
Começa assim este thriller escrito com paixão e rigor documental que, com um ritmo que não dá tréguas ao leitor, nos aproxima de uma personagem que deverá enfrentar múltiplos demónios, os alheios e os seus próprios, para salvar a única coisa que parece escapar a este contexto atroz: o amor de uma mulher.

Críticas de imprensa 
Uma apaixonante combinação de relato bélico e thriller policial.
El País
Enviar um comentário