2011/05/01

Roma, dias 3 e regresso

O 3º dia da etapa foi o mais estafante. Terá sido o dia em que mais andámos, mas terá sido também o dia mais complicado para andar - Roma era uma turba de gente impressionante: polacos, espanhóis, franceses, portugueses e sei lá quantas mais nacionalidades estavam em Roma por causa da beatificação de João Paulo II. No circo máximo concentraram-se mais de 250 mil pessoas, jovens, numa homenagem ao Papa dos jovens. Igrejas cheias em toda a cidade, passeios cheios de gente. Foi, talvez, a maior concentração de gente em Roma desde a morte de João Paulo II e eleição do actual Papa.

Retomando o fio à história.

Sábado arrancámos pelo Capitolino, uma das colinas de Roma, onde há imensas ruínas e se destaca a Casa de Augusto, que visitámos. E depois descemos em direcção ao Forum. E foram 4 horas para este fantástico percurso... Após breve almoço, passámos em Campidoglio (onde está o Capitólio) que é uma praça desenhada por Miguel Angelo e que albergava a única estátua de bronze dos romanos (actualmente a original está no museu desse praça, cá fora está uma cópia) e que é, sem dúvidas, belíssima, perfeita nas proporções e formas. Descemos em direcção ao Teatro de Marcelo, mas tendo sido apanhados por um forte aguaceiro, abrigamo-nos na Igreja de Santa Maria in Campitelli, que é fantástica. Com a chuva a parar, fomos para o outro lado do rio Tibre, em Transtevere, pela Ilha Tiberina e em direcção à Igreja de Santa Maria Maggiore, que era ortodoxa. Daí subimos em direcção à Igreja de S. Pietro in Montório, uma das mais antigas. E regressámos novamente ao centro para jantar, via praça da Argentina.

Depois de jantar, quando tentámos regressar ao hotel (perguntou o motorista como tínhamos conseguido quarto de hotel e disse-nos que havia pessoas a pagarem 400 euros por noite e a quem chegava sem marcação eram pedidos 1000 euros por uma noite...) tinha já começado a operação policial devido à beatificação e muitas ruas e pontes estavam já fechadas. Resultado: uma enorme volta por Roma e uns bons euros a mais na corrida do Táxi e que, se o motorista tivesse querido, teriam sido muitos mais - bastava ter-se deixado ir na confusão do trânsito em vez de a contornar e teríamos demorado mais tempo a sair de lá - e o taxímetro sempre a contar...

Hoje, finalmente, o regresso. A ideia ainda era ir ao Vaticano de manhã, mas fomos avisados sabiamente a não ir, tamanha a confusão que iria ser devido aos milhões que estavam no centro e às ruas cortadas. Assim, fomos para o aeroporto e pacientemente aguardámos pelo nosso avião que nos trouxe de volta.

Cansados, com bolhas e unhas pisadas nos pés, mas satisfeitos pelo que vimos. Porque Roma tem um património artístico impressionante. E quem o estudou tanto, por obrigação mas mais ainda por gosto, como eu e pude agora finalmente o apreciar ao vivo foi o culminar de um momento fantástico e único. E para retratar tal apreço, foram mais de 1000 fotos... das quais irei seleccionar algumas nos próximos dias e colocar por aqui.

Roma, a eterna, cativou-me...
Enviar um comentário