2008/06/20

Euro 2008 - A derrota dos Quartos de Final


E deu parreco... Isto é, deu Ricardo! O fim de um mito, espero eu...

É verdade que não foi só ele. Paulo Ferreira tambem não ficou bem na foto e nos lançes de bola parada foi a equipa toda, a defender, que ficou mal.

Mas isso já se sabia, de antemão, que ia ser a principal arma dos alemães contra o "1,10m, 1,20m" dos nossos jogadores. E como antevi ontem, os centimetros a mais que podiamos ter ganho com recurso a outros jogadores, fizeram, de facto, muita falta e diferença. Mas se temos (tinhamos, aleluia!) um seleccionador que segundo consta sabe dinamizar grupos de trabalho, temos um seleccionador que como treinador é pior que qualquer um dos treinadores da Liga Bwin, incluindo os despedidos a meio da época...

E não me venham com o paleio que foi um ciclo de ouro que se fechou, porque é mentira. Para um portista, um ciclo de ouro foi o período Mourinho: campeonatos, taças, taça Uefa, Liga dos Campeões! Muitas vitórias nas competições, não só morais. Do CV do Scolari, depois da sua longa passagem pelo comando da selecção nacional, para além de ter visto clubes portugueses chegarem às meias finais (Boavista) e final da Taça Uefa (Sporting) e até ter ganho competições europeias (FC Porto, UEFA e LC) não leva nada! Porque ser o finalista derrotado em casa não é medalha, é vitória moral igualzinha à do Humberto Coelho em 2000 no Europeu. Porque ser semi-finalista num mundial, é igualzinho à vitória moral do Otto Glória de 1966 do Mundial. Porque ser derrotado nos quartos de final é igualzinho à derrota do Oliveira com a Républica Checa em 1996 no Europeu. Não ganhou, não fez melhor do qualquer um dos outros anteriores todos. Sendo que tinha condições no terreno excepcionais (talvez desde a década de 80, no Europeu de 84 e Mundial de 86, que não tinhamos um grupo tão forte e habituado a ganhar e a chegar a finais europeias como neste período) combinadas com a sorte de comandar uma equipa em casa numa fase final.

Por isso, foi inglória a despedida. Deixe lá o empurrão no golo, preocupe-se antes em justificar as saídas em falso do seu menino bonito. E pronto, assim perdemos mais uma oportunidade. E, desconfio eu, que até o Mourinho pegar um dia na selecção, vamos continuar de vitória moral em vitória moral...

O nosso Euro2008 acabou. Voltemos pois à realidade da inflacção, do preço do petróleo, da subida das taxas de juro, da degradação do ensino, da falta de oportunidades do país e dos jovens que são obrigados a procurar no estrangeiro o que hoje Portugal não oferece...
Enviar um comentário