2009/05/26

Leituras [43] - A Vida num Sopro, de José Rodrigues dos Santos



"A Vida num Sopro" é um romance que se lê muito bem e que mostra o excelente contador de histórias que JRS é, sem dúvidas um vulto maior da literatura contemporânea portuguesa. Terminei de ler este fim de semana e acabei o meu "stock" devido à infelicidade de um dos livros que trouxe se ter "evaporado" nas cadeiras do Terminus e nunca ter sido "devolvido" após a leitura por quem o "encontrou"... Vivo agora dos empréstimos, estando a começar a ler Arnaldo Santos, um escritor angolano da "geração" Pepetela e que me parece engraçado, mas de difícil leitura devido ao floreado da linguagem que exige demasiada concentração para ser assimilado.

Mas voltado ao JRS...

Excelente história encontrada nas raízes da sua família por Bragança, leva-nos a um período marcante da nossa história mais recente e onde encontramos muitas explicações para o Portugal de hoje, tantos anos e gerações passadas sobre a subida de Salazar, o "Toninho", ao poder. Parte interessante foi ver retratado, ainda que por mera passagem, um local que pertenceu à minha família, o palácio do Barão do Calvário, em Penafiel, onde Luís esteve preso e acabou por sucumbir.

Porém, marcante, quanto a mim, é uma personagem não humana: o "Nilo", o cão que entra na história a páginas tantas com inteligência extraordinária e que tanto me faz lembrar os cães no seu melhor, leais, fieis, inteligentes, perspicazes, melhores amigos até à hora da morte. Aliás, este livro poderia ter sido escrito de outra forma, em que o narrador fosse o Nilo... fica a ideia... Parabéns por esta excelente personagem que soube montar no Nilo.

Sinopse:
"Um romance para compreender o Século XX português. Um thriller histórico refrescante que traz o grande romance de volta às letras portuguesas.

Através da história de uma paixão que desafia os valores tradicionais do Portugal conservador, este fascinante romance transporta-nos ao fogo dos anos em que se forjou o Estado Novo.
Portugal, anos 30.

Salazar acabou de ascender ao poder e, com mão de ferro, vai impondo a ordem no país.
Portugal muda de vida. As contas públicas são equilibradas, Beatriz Costa anima o Parque Mayer, a PVDE abafa a oposição.

Luís é um estudante idealista que se cruza no liceu de Bragança com os olhos cor de mel de Amélia. O amor entre os dois vai, porém, ser duramente posto à prova por três acontecimentos que os ultrapassam: a oposição da mãe da rapariga, um assassinato inesperado e a guerra civil de Espanha."
Enviar um comentário