2011/07/07

Nada me faltará

Imagem Público

Maria José Nogueira Pinto, Avillez de nascimento, foi uma grande senhora da política. Entrou na política pela mão de Cavaco Silva, entrou para um partido político pela mão de Manuel Monteiro, para o PP, foi lider parlamentar centrista, candidatou-se contra Portas, saiu do PP e abraçou o cargo de deputada novamente a convite de Manuela Ferreira Leite como independente nas listas do PSD. Pelo meio, esteve na Santa Casa da Misericórdia, entre tantas outras causas públicas que serviu.

Derrotada muitas vezes na política, defendia sempre as suas convicções de forma tal que agora, no momento em que foi derrotada na vida, todos os seus opositores se renderam à sua pessoa.

Portugal vai sentir a sua falta, porque fazem falta portugueses assim.

Basta ler a sua última crónica no DN para se perceber a sua fibra, a sua moral, a sua força. Intitulada "Nada me faltará", é fantástica!

"Acho que descobri a política - como amor da cidade e do seu bem - em casa. Nasci numa família com convicções políticas, com sentido do amor e do serviço de Deus e da Pátria. O meu Avô, Eduardo Pinto da Cunha, adolescente, foi combatente monárquico e depois emigrado, com a família, por causa disso. O meu Pai, Luís, era um patriota que adorava a África portuguesa e aí passava as férias a visitar os filiados do LAG. A minha Mãe, Maria José, lia-nos a mim e às minhas irmãs a Mensagem de Pessoa, quando eu tinha sete anos. A minha Tia e madrinha, a Tia Mimi, quando a guerra de África começou, ofereceu-se para acompanhar pelos sítios mais recônditos de Angola, em teco-tecos, os jornalistas estrangeiros. Aprendi, desde cedo, o dever de não ignorar o que via, ouvia e lia.
Aos dezassete anos, no primeiro ano da Faculdade, furei uma greve associativa. Fi-lo mais por rebeldia contra uma ordem imposta arbitrariamente (mesmo que alternativa) que por qualquer outra coisa. Foi por isso que conheci o Jaime e mudámos as nossas vidas, ficando sempre juntos. Fizemos desde então uma família, com os nossos filhos - o Eduardo, a Catarina, a Teresinha - e com os filhos deles. Há quase quarenta anos.
Procurei, procurámos, sempre viver de acordo com os princípios que tinham a ver com valores ditos tradicionais - Deus e a Pátria -, mas também com a justiça e com a solidariedade em que sempre acreditei e acredito. Tenho tentado deles dar testemunho na vida política e no serviço público. Sem transigências, sem abdicações, sem meter no bolso ideias e convicções.
Convicções que partem de uma fé profunda no amor de Cristo, que sempre nos diz - como repetiu João Paulo II - "não tenhais medo". Graças a Deus nunca tive medo. Nem das fugas, nem dos exílios, nem da perseguição, nem da incerteza. Nem da vida, nem na morte. Suportei as rodas baixas da fortuna, partilhei a humilhação da diáspora dos portugueses de África, conheci o exílio no Brasil e em Espanha. Aprendi a levar a pátria na sola dos sapatos.
Como no salmo, o Senhor foi sempre o meu pastor e por isso nada me faltou -mesmo quando faltava tudo."


Paz à sua alma. E obrigado por tudo!
Enviar um comentário