2013/03/13

Macau [3] - As ruínas da Igreja de S. Paulo

Hoje dei uma volta maior do que o habitual.

Subi no teleférico da Guia (2 patacas, 20 cêntimos de Euro...) e depois desci em direcção ao centro da cidade, rumo à Praça do Senado e daí segui até às ruínas da Igreja de S. Paulo (como se costuma dizer, vir a Macau e não vir aqui é como ir a Roma e não ver o Papa - mesmo que a sede esteja vacante como hoje!) onde já havia estado há 15 anos atrás mas, não me recordo agora porquê, não visitei então a cripta e o Museu de Arte Sacra.

Hoje, pude lá ir - de graça!



 Vista do exterior, em aproximação:




Uma explicação e reconstituição:



A Cripta:


Uma série de painéis da evolução do espaço:







Algumas obras de arte sacra do Museu de Arte Sacra:

Santa Ana ensinando a Virgem a ler (sec. XVIII)

Santo Inácio de Loyola (sec. XIX)

Santo Agostinho (sec. XVII)
 
São Miguel o Arcanjo (sec. XVII)
S. Francisco Xavier (sec. XVIII)
E algumas pinturas:

O Baptismo de S.Francisco de Assis (sec. XVII)

S. Francisco rejeitando as riquezas dos pais para começar a sua vida de pobreza (sec. XVII)

S. Francisco pregando aos animais (sec. XVII)

A visão de S. Francisco (sec. XVII)

Os Mártires do Japão (1640)

S. Miguel Arcanjo (sec. XVII)

No exterior, à esquerda das ruínas, encontra-se ainda o simpático Templo de Na Tcha, reflectindo o são convivio entre as religiões no espaço do território macaense. Mesmo à esquerda desde pequenino, num pequenino pátio, fica o Museu do Chá (que infelizmente fecha às quartas e que por isso não pude visitar).



Enviar um comentário