2013/03/29

Pensamentos do oriente...

Enquanto tenho aqui estado, afastado da catadupa de noticiários e apenas seguindo os sound-bytes à distância de um fuso de +8 horas, algumas ideias têm feito sentido, pelo menos na minha cabeça...

Pedro Passos Coelho nunca irá remodelar o Governo enquanto o Tribunal Constitucional não se pronunciar. E a própria continuidade dele estará também dependente do tipo de pronuncia que o TC fizer. Se for a versão suave, talvez continue. Se for a versão hard, cortando tudo a torto e a direito, então provavelmente demite-se.

Vamos por cenários.

1º Cenário: O TC impõe alguns cortes, mas no geral o Orçamento de Estado mantém-se.
O mais natural é que alguns ministros se demitam, nomeadamente Vitor Gaspar e isso force PPC a remodelar - a questão é quão profunda será a remodelação, isto é, se serão apenas alguns nomes novos numa estrutura semelhante ou se, para além de novos nomes, altere a orgânica profundamente. A oposição, evidentemente, vai protestar e pedir a demissão do Governo, mas com Cavaco a Presidente só um cataclismo o irá fazer accionar a "bomba atómica", ele que sempre se bateu pelo cumprimento dos mandatos e sempre se pronunciou contra todas as vezes que um PR dissolveu a AR (seja Soares no seu caso de 1987, seja de Sampaio nos casos de Guterres e Santana Lopes em 2002 e 2005).

2º Cenário: O TC corta a fundo, desvirtuando o OE.
O mais natural é PPC demitir-se. Mas irá Cavaco convocar eleições? Poderei estar enganado, mas talvez seja por estar  aqui em Macau, acho que no jogo das sombras da política há muitos movimentos para que o PR convide o PSD a apresentar outro Primeiro Ministro. E há muito que há uma corrente interna do PSD que gostaria de colocar Rui Rio, em fim de mandato no Porto onde não pode concorrer mais, no cargo - e penso que este era um nome que agradaria ao próprio PR. Só falta perceber qual a posição do CDS nesse caso - mas a verdade é que vários dos principais dirigentes do CDS fizeram parte do executivo de Rio no Porto nestes 12 anos, sempre houve muita proximidade, pelo que me parece que a maioria parlamentar estaria assegurada. Dificilmente Cavaco faria o que fez Sampaio, derrubando uma maioria estável na AR e colocando no poder Sócrates (ou o que restasse da tralha socrática que daqui até umas possíveis eleições legislativas trataria de retirar Seguro do caminho).

Por último, o regresso do emigrante parisiense. Veio para ser candidato a PR. Não vi a entrevista, mas vi breves resumos e alguns comentários. E ficou clarinho como a água que escolheu como alvo Cavaco Silva e não PPC ou Seguro. E semanalmente vai montar a estratégia com o apoio da RTP para se lançar e antecipar-se assim à direita que ainda não tem candidato - o mais natural seria Durão Barroso mas que poderá estar a sonhar com a ONU e não querer hipotecar essa hipótese com uma candidatura presidencial extemporaneamente.

E entretanto, as autárquicas aproximam-se a passos largos. Se forem a 29 de Setembro, significa que as equipas estarão montadas até Junho e que a campanha decorrerá até Julho. Agosto é mês morto e Setembro já decide muito pouco eleitoralmente...

Um ano louco pela frente, que só com paciência de chinês será possível ultrapassar...
Enviar um comentário