2013/03/18

Macau [6] - Imagens de santos... estranhos!

Hoje tive a oportunidade de entrar quer dentro da Sé de Macau, quer dentro da Igreja de S. Domingos, porque casualmente passei por elas em horário que estavam abertas.

Ao contrário da fachada de S. Paulo, o que sobrou da soberba igreja que seria, toda trabalhada nos seus nichos com estatuária diversa e motivos que combinam o ocidente e o oriente, estas duas são muito mais despojadas, simples até.

A Igreja de S. Domingos, no Largo de S. Domingos, na continuação da Praça do Senado, foi fundada em 1587 pelos dominicanos espanhóis  oriundos de Acapulco, México (quem disse que a globalização é coisa de hoje? Fomos nós, portugueses, que a inventámos!) e já aqui a mostrei. E foi nela que encontrei, à disposição dos visitantes, estes dois santinhos... estranhos! Porque se à primeira vista a temática é facilmente reconhecida - a Virgem e o Menino - já quando se olha mais atentamente há coisas que fogem não só ao tradicional como até à história universal. A Virgem com trajes típicos chineses, bem como o Menino numa das imagens, não coincide em nenhum ponto com o que está descrito na Bíblia  E os traços claramente orientais de Mãe e Filho em ambas as imagens também são uma novidade - apesar de estarmos habituados em Portugal a ver imagens "europeizadas" dos personagens bíblicos  a sua ascendência judaica e aramaica não tem nada a ver com esta orientalização destas imagens.

E, no entanto, a Fé de quem a tem e a encontrou é inquestionável e não é o estilo da imagem que muda o seu simbolismo para quem acredita.

E é nisto que eu vejo a colonização portuguesa diferente da espanhola e da inglesa. A miscigenação, quer entre povos, quer entre imagens icónicas que deixamos (e importamos) no mundo todo, são únicas e diferentes. Eu tenho orgulho do nosso passado, da nossa cultura e da forma como a soubemos integrar e interagir com tantos e tão diferentes povos em vários continentes deste planeta!

Estas imagens são, por isso, uma das recordações mais preciosas e emblemáticas que levo daqui.
Enviar um comentário