2009/04/22

Paranço cerebral?

Já algumas vezes o Pepe tinha mostrado que perde o controle com facilidade dentro do campo - quer no FC Porto, quer ainda antes, no Marítimo, onde me lembro de uma entrada dele a "matar" ao, salvo o erro, Deco e da confusão que se gerou a seguir.

Mas no entanto, isto que se passou ontem é de facto acima e para lá do razoável e esperado.

O homem "passou-se", perdeu o controle e deixou o "animal" que vive dentro de cada um de nós tomar conta dele. Passou de jogador de campo a adepto de bancada das claques organizadas para fazerem o que ele fez: violência gratuita e insulto!

Apesar de gostar dele e o achar um grande defesa, acho que deve levar uma pena exemplar. Não só da federação espanhola onde joga, mas também do clube - e por extensão da selecção. Ele é um jogador de topo e não pode ter comportamentos destes. Como o foram censuráveis o do Zidane, por exemplo.

A estes jogadores de topo, não se pede apenas que encantem as plateias com o seu futebol. Pede-se tambem que sejam exemplos aos mais jovens e à sociedade. Pede-se que façam fundações que ajudem desfavorecidos (como o Vitor Baia, por exemplo) ou academias de futebol que ocupem os mais novos em terras que não sejam o Porto e Lisboa (como o Moutinho no Algarve ou o Bruno Alves na Póvoa de Varzim).

Ontem foi um dia negro na sua carreira, do qual irá, penso eu, ter graves penalizações - dúvido que volte a jogar esta época. Só espero que aprenda com o erro e consiga recuperar para voltar a ser o grande jogador que é.
Enviar um comentário